barcos de pesca na doca velha

Os gasolinos e as traineiras possuíam vela auxiliar

Duas enviadas do Pimenta e uma do Freitas
na Doca Velha

Descarga de sardinhas na Doca Velha, em finais dos anos 60

(reprodução de postais ilustrados)

7 comentários:

fangueiro.antonio disse...

Boas.

Mas que maravilha estes seus postais, com estes belíssimos barcos de pesca. São fantásticas janelas da vida dos portos antigamente.
Espero que nos mostre mais tesouros destes.

Atentamente,
www.caxinas-a-freguesia.blogs.sapo.pt

francisco disse...

Pois é, caro António, tendo disponibilidade hei-de postar aqui algum do muito material que tenho em arquivo.
Saúde.
Abraço.

JMC disse...

As enviadas azuis cuja propriedade atribui ao Freitas eram na verdade do Pimenta.

Os Barcos do Freitas eram de cor preta. Lembro-me que tinha duas grandes traineiras (da maior das quais de momento não recordo o nome, sendo a outra, mais pequena, a Milita); e que o Abreu Pimenta também tinha duas grandes traineiras (a maior de seu nome Gracinha, e a outra Marisabel, se bem me recordo).

Uma das fotos pode ser mais ou menos bem referenciada no tempo, pois apresenta o cais já remodelado.

Recordo-me de em gaiato assistir à venda do peixe em leilão, ainda nos barcos, no cais velho, e de como os compradores de cada uma das fábricas calculava, a olho, a quantidade e o melhor preço para a arrematação.

Para além do Freitas e do Abreu Pimenta, dois outros industriais conserveiros estabelecidos em Lagos, o Mendes (fábrica Aldite) e o Reinaldo Assunção (fábrica da Ribeira) tinham frotas pesqueiras, mas sedeadas no porto de Portimão.

Recordo com nostalgia a lengalenga dos cântigos dos pescadores traineireiros a puxarem a braço as redes, quando as lavavam frente ao cais, e que reproduziam os que entoavam na pesca, quando ainda não existiam os aladores mecânicos.

francisco disse...

Caro JMC, tem toda a razão, vou já emendar o erro que se deve ao facto de a primeira enviada (mais próximo na, foto) de que se vê apenas parte da cabine, ostentar o símbolo da casa Freitas na chaminé. De facto as outras que melhor se vêem, são do Pimenta. Obrigado pela correcção.
A juntar às referências que fez, faltaria a firma Abel Figueiredo Luís, que também possuía frota pesqueira, apara além da fábrica de conservas que conheci muito bem.

Saúde.

JMC disse...

No meu comentário de há pouco tinha-me escapado o nome da outra traineira do Freitas, por sinal uma das mais vistosas: chamava-se Costa D'Oiro.

Para além daqueles que referi e do Abel, que refere, também o Algarve Exportador tinha frota pesqueira (não sei se matriculada no porto de Lagos). E julgo que em tempos o Fialho também terá tido.

Um moço da minha geração, antigo colega de escola e depois pescador, que julgo residir em Barão de S. Miguel, de nome João (não recordo o apelido),faz umas miniaturas dos barcos de pesca de Lagos muito interessantes.

Recolha essas fotos, porque muitas ainda existirão, e exponha-as. Se alguém não tiver esse cuidado será uma parte da memória colectiva da cidade que acabará por se perder.

Cumprimentos.

francisco disse...

Caro JMC, obrigado pelo contributo. Do João que refere, pode ver o trabalho dele neste sítio (aliás, linkado aqui na coluna Mare Nostrum):
http://clientes.netvisao.pt/nv038232/

Gostei do primeiro contacto com o seu blogue, já o linkei no meu http://claustrofobias.blogspot.com/


Saúde.

JMC disse...

Muito obrigado pelo link que deixou para o sítio do João Neves (meu colega de turma durante a instrução primária). Tive-o em tempos nos favoritos, mas acabou por desaparecer.

Foi amabilidade sua ter linkado o meu blog, mas aquilo é sítio com temática muito restrita que não interessa a muita gente.

Frequento, de vez em quando, os seus interessantes blogs pessoais (o das fotos e o claustrofobias), mas como visitante anónimo, apenas para apreciar.

Cumprimentos.